Cólicas por Teníase em Eqüinos

Med. Vet. Marcelo G. Silveira Netto

 



A infestação por cestóides em eqüinos, principalmente a Anoplocephala perfoliata, tem alta prevalência em todo mundo incluindo o Brasil. A resistência dos cestóides aos anti-helmínticos normalmente utilizados para controle de nematóides, somados à dificuldade de diagnóstico clínico e laboratorial, expõe os animais a esta parasitose, que quando em alta infestação, predispõe a cólicas espasmódicas e risco de distúrbios digestivos mais graves como intussuscepção íleocecal, cecocecal ou cecocólica.

Nos programas profiláticos, deve-se incluir vermífugos à base de palmoato/tartarato de pyrantel ou praziquantel.

             Dentre os 3 tipos de tênias que infestam os eqüinos, a Anoplocephala perfoliata, é a mais comumente encontrada e de maior importância clínica - as demais são a Anoplocephala magna e Paranoplocephala mamillana.
A tênia  Anoplocephala perfoliata,  tem como hospedeiro definitivo o eqüino, hospedeiro intermediário os ácaros oribatídeos e forma larvária cisticercóide. Os carrapatos infectados com a larva cisticercóide são ingeridos pelos cavalos durante o pastoreio. No intestino destes animais, após 8 semanas, a larva infectante se transforma em verme adulto, quando passa a produzir ovos, que são eliminados nas fezes e novamente ingeridos pelos carrapatos, iniciando-se assim um novo ciclo.

                Os locais mais comuns de fixação do parasita são ao redor da válvula ileocecal, ceco e porção proximal do cólon maior e dependendo do grau de infestação, pode causar inflamação e ulceração, que se manifestam clinicamente por alteração da motilidade intestinal (20% das cólicas espasmódicas são causadas por cestóides) até problemas digestivos mais graves como compactação de íleo (80% dos casos estão associados a estes vermes), espessamento da parede do íleo, intussuscepção ileocecal, cecocólica ou cecocecal e ruptura ou perfuração do ceco.

                 Deve-se destacar que os animais infectados por tênia, mesmo que intensamente parasitados, podem não apresentar os sinais típicos de outras verminoses, encontrando-se muitas vezes em excelentes condições gerais, com pelagem lisa e brilhante e sem histórico de diarréia. Os métodos coprológicos normais têm baixa sensibilidade, o que dificulta o diagnóstico.
As cólicas resultantes de lesões associadas à infestação por A. perfoliata, são geralmente diagnosticadas na autópsia ou durante a laparotomia exploratória, e neste caso, as avaliações clínica e laboratorial pré-operatórias são próprias de um quadro inespecífico de obstrução intestinal. 
Considerando-se a dificuldade de diagnóstico laboratorial, os sinais clínicos variáveis da infestação por tênia, e sendo os anti-helmintos à base de ivermectina, moxidectina e benzimidazóis inócuos contra os cestóides, recomenda-se incluir nos programas de profilaxia, vermífugos à base de pamoato ou tartarato de pirantel ou praziquantel, evitando-se a medicação em éguas no último trimestre de gestação. A rotação de piquetes e o controle do excesso de animais/área de pasto, são medidas adicionais importantes.



BIBLIOGRAFIA

1. CABRAL, D.D.; TUNALA, V.; LEOPOLDINO, M.L. Estudo da ocorrência de Anoplocephala perfoliata (Goetze 1782) em equídeos abatidos no frigorifico Pomarem Araguari, MG, Brasil. Notícias Veterinárias, v.3, n.l, p.79-82, 1997.
2. DACORSO, FILHO, P.; LANGENEGGER, J.; GUIMARÃES, J.H. Ocorrência de cestódeos em eqüídeos necropsiados na Escola Nacional de Veterinária. Arquívos do Instituto de BiologiaAnimal, v.4,p.65-76,1961.
3. GOMES, T.L.S.; HUSSNE, M.; TUNALA, V.; TAMURA, E. Y., et a1. Pesquisa sobre a incidência de tênias em eqüídeos. A Hora Veterinária, n.95, p.11-12, 1997.
4. KANIA, S.A .; REINEMEYER, C.R. Anoplocepha1a perfoliata coproantigen detection; a preliminary study. Vet. Parasitol, v.20, n.2, p.115-19, 2005
5. MARTIN, B.B.; FREEMAN, D.E.; ROSS, M. W., et a1. Cecocolic and cecoceca1 intussusception in horses; 30 cases (1976-1996). J.Am.Vet.Med.Ass, v.214, n.l, p.80-84, 1999.
6. MARTINS, I. V.E.; VEROCAI, G.G.; MELO, R.M.P.S., et a1. Valorização de uma modificação da técnica de centrifugo-flutuação (Beroza et al, 1986), para o diagnóstico de cestóides em eqiiinos. Ver. Bras. Parasitolo.Vet, v.12, n.3, p.99-102, 2003.
7. MARTINS, I. V.F.; SANTANA, F.B.; CORREIA, T.R, et al. Preva1ência de cestóides em equide- os do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Ciências Veterinárias, v.9, n.3, p.172- 74,2002.
8. MATTHEWS, J.B.; HODGKlNSON, J.E.; DOWDALL, S.M.J.E., et a1. Recent developments in research into the Cyathostominae and Anoplocephala perfoliata. Veterinary Research, v.35, p.371- 81, 2004.
9. PROUDMAN, J.C.; FRENCH, N.P.; TREES, A.J. Tapeworrn infection is a significant risk for spasmodic co1ic ~d i1ea1 impaction co1ic in horses. Equíne Veterinary Jouma1, v.30, n.3, p.194-199, 1998.
10. ROSS, M.W. Diseases ofthe Cecum. In; COLAHAN, P.; MAYHEW, I.G.; MERRlTT, A.M.; MOORE, J.N. Equine Medicine and Surgery. 5a Ed, Phi1ade1phia, W.B. Saunders, 1999, p. 735- 740.
11. SANGIONI,L.A.; VIDOTTO, O.; PEREIRA, et a1. Study ofthe preva1ence and characteristics of anatomopathologica1lesiones associated with Anplocephala perfoliata (Gotze, 1782) in abated equines from a refrigerated slaughter house in Apucarana-PR. Rev. Bras. Parasito1. Vet, v.9, n.2, p.129-133,2000.
12. THOMASSIAN, A. Enferrnidades dos Cava1os. 4a Ed. Vare1a, São Paulo, 2005, p.370-371. 13. WlLLIAMSON, R.M.C.; BEVERIDGE. I.; GASSER, R.B. Copro1ogica1 methods for the diag- nosis of Anoplocephala perfoliata infection ofthe horse. Aust. Vet. J, v.76, n.9, p.618-621, 1998.

 

Photos

Share This

]
Greca Arabian Stud Haras Greca/El Aduar
Est. da Galinha, 800, Osório,
RS, 95550-000, Brasil
Phone: +55 51 33916020
Cel : +55 51 91865268
Email: cavaloarabe@cavaloarabe.org
Footer-image